VÍCIO DIGITAL NO TRABALHO: QUAIS OS RISCOS DO USO EXCESSIVO DO CELULAR?

Mais um dia normal na vida de uma pessoa: ela acorda, dá uma verificada rápida no celular para saber se tem novas mensagens, toma seu café da manhã enquanto lê as notícias no smartphone, se veste e vai para o trabalho. Antes de entrar em seu departamento, ele deixa o dispositivo em um armário, por determinação da empresa, que pune o uso indevido do celular no ambiente de trabalho.

Até a parte de ir ao trabalho, podemos afirmar que estamos descrevendo a rotina de grande parte da população no mundo, mas o desfecho provavelmente te chamou a atenção, não é mesmo? Pois ele serve para ilustrar um problema de saúde pública: o vício digital.

Diferente do que muitos imaginam, a dependência digital não está associada exclusivamente ao uso excessivo de dispositivos eletrônicos, mas, sim, se este abuso vier acompanhado de uma perda do controle da vida real. Segundo o núcleo de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o vício digital se mede a partir de cinco dimensões: Excitação e Segurança, Relevância, Tolerância, Abstinência e Conflitos na Vida Real.

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

O PERIGO DO USO DO CELULAR NO TRABALHO

É inegável o quanto a tecnologia nos trouxe facilidades para o dia a dia, mas quando ela é mal utilizada, alteram a percepção de tempo e espaço, podendo “gatilhar” transtornos de ansiedade, depressão ou fobia social. E é exatamente este ponto que merece um olhar mais atento, especialmente por parte das corporações.

Não é difícil entender, diante deste cenário, que o celular pode atrapalhar a produtividadede um funcionário dentro da empresa. A falta de foco, diante da multiconectividade, diminui a performance profissional e, dependendo do cargo desenvolvido, pode causar afastamento e até graves acidentes, como, por exemplo, em operadores de máquinas ou trabalhos que exijam precisão e foco de modo geral.

 

Hoje uma pequena parte das empresas reconhece se tratar de um grave problema, e uma parcela menor ainda tem esclarecimento de como agir e que medidas tomar para amenizar o impacto da dependência digital no ambiente de trabalho.

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

RECONHECER O PROBLEMA: O PRIMEIRO PASSO

Em uma pesquisa feita pelo Instituto Ipsos no Brasil, 36% dos participantes disseram já ter priorizado o celular em vez de passar tempo com amigos ou família. Isso é um termômetro da gravidade da situação. Tanto que o Hospital das Clínicas da USP tem um departamento que atende exclusivamente casos de vício em celular e registra uma média de 4 pedidos de ajuda por dia.

Diante deste quadro epidêmico, qual a solução para frear o problema, ainda mais em uma realidade onde a tecnologia não para de trazer novidades? No começo deste artigo, falamos de um caso onde a empresa determinou que é proibido celular. É uma medida extrema mas certamente ineficaz, pois aumenta a incidência da ansiedade.

Alguns especialistas apostam na prevenção e na reeducação para mudar a realidade. Isso envolve mudança de hábitos, regrar a utilização e até treinamentos para esclarecer sobre o problema e saber como enfrentá-lo. A própria tecnologia se mostra aliada neste caso, com aplicativos que auxiliam no gerenciamento de tempo como o Pomodoro (IOS e Android), e na redução do stress, como o Natura Mindfulness (IOS e Android).

 

 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

 

A SOLUÇÃO ESTÁ NA CONSCIENTIZAÇÃO DO USO DO CELULAR

As doenças mentais afastam mais que problemas físicos e o vício digital colabora demais com estes números. Por isso, é fundamental que as empresas conheçam o transtorno e, principalmente, busquem alternativas para tratar. A Labor Fit tem competências para desenvolver soluções em conjunto com os clientes que sofrem com essa dor. Não só para garantir a produtividade corporativa mas principalmente a integridade da saúde, bem estar e qualidade de vida do funcionário.

 

 

Dados: Canal Tech / Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *